Aula de 12/06/1990 – Descartes – Três substâncias metafísicas: o eu, o mundo e Deus

Parte 1:

Parte 2:

Esta gravação se inicia e se interrompe abruptamente. Como ela é mais curta do que o habitual, imaginamos que uma parte considerável esteja perdida. No entanto, optamos por torná-la pública, mesmo inacabada, já que a parte que resta é extremamente clara e trata de questões essenciais para o entendimento da filosofia. Além disso, como Ulpiano não trabalha de forma linear, todas as aulas acabam se complementando, e uma questão levantada numa determinada aula pode ser essencial para potencializar outra aula,  do passado ou do futuro.

Na Parte 2,   dos 16:25 minutos até o final (25:56 minutos), quando Claudio responde a perguntas, a gravação não está boa, embora seja possível ouvir suas respostas.

 

5 opiniões sobre “Aula de 12/06/1990 – Descartes – Três substâncias metafísicas: o eu, o mundo e Deus”

  1. ola! que bom trabalho este de vcs. claudio ulpiano, eu descobri procurando alguma coisa de espinoza no you tube e fiquei muito feliz em encontrar um professor assim. era um grande professor e agora vejo que nao estou sozinho no que pensava! sou de porto alegre e gostaria de ler um livro deste professor…faço parte de uma radio comunitaria por aqui, sou anarquista, professor de historia e arquivologia. nao sou muito de me indentificar..mais acho que o trabalho de vcs merece meus aplausos obrigado pelo espaço.

  2. Primeiramente agradeço a todos e a todas que efetivamente colaboraram e colaboram para que estas aulas estejam disponíveis de forma que tornem-se verdadeiro patrimônio da humanidade. É muito esclarecedora cada uma destas aulas, pois,havia alguns pontos um tanto que obscuros quanto as obras de Descartes, um deles era esta questão da prova ontológica de deus. A ideia de perfeição requer, segundo Descartes, o complemento entre essência e existência onde é possível sustentar a ideia de deus, mesmo que de forma dedutiva e efetivamente assim posto, é possível fundamentar outras duas idéias que forma o tripé cartesiano, ou seja as idéias de eu e de mundo. Brilhante a explicação do professor Claudio.

  3. É muito interessante, pois este gênio maligno precisa ser desconstruído e tornar-se uma ideia ou uma essência imperfeita, pois, não carece de existência e só então Descartes poderá propor a existência perfeita de deus que por dedução de uma ideia, ele afirma sua existência, pois apenas a existência poderia aperfeiçoar a essência, então deus é a perfeição e assim sendo, garante a certeza que possibilita a dedução de outras duas substâncias deduzidas por sua metafisica especial , ou seja, o eu e o mundo.

  4. MUITO BONITO ISSO QUE O CLAUDIO FAZ ……
    GOSTO MUITO DELE.

    GOSTARIA DE OUVIR ALGUNS AÚDIOS ….MAS A MAIORIA NÃO ABRE DAR ” ERRO 404 NOT FOUND” SEJA LÁ OQUE FOR ISSO…TEM ALGUMA DICA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *