Aula de 13/10/1994 – Uma canção pode mudar o mundo: beleza e senso comum

"Porque o homem não pode escapar do tempo orgânico.  E o homem é solipsista: ele projeta seu ser sobre o mundo. Então, ele vê um mundo orgânico. Mas há uma maneira de nós atingirmos o tempo cristalino, e é exatamente o que Proust vai nos ensinar. Nós temos que quebrar o bom senso, quebrar o senso comum. Rompendo com eles, nós entraremos na linha do tempo cristalino. Nós entraremos no que, por exemplo, Proust, Deleuze, Visconti, chamam de quarta dimensão: a beleza. Este tempo cristalino é a própria beleza. Não é qualquer homem que pode entrar na beleza; ao mesmo tempo, todos os homens poderiam. Porque todos nós temos a faculdade do pensamento puro".

Sétima aula da série "Arte e Estética - pela via de Nietzsche"

Na passagem da Parte 1 para a Parte 2 é possível perceber uma pequena lacuna. Uma fala de Claudio se perdeu; é como se ele retomasse a questão um pouquinho mais adiante. No entando, isto não compromete em nada o entendimento da aula; por isso optamos por colocá-la no site.

Parte 1: 

Parte 2: 

Parte 3: 

Parte 4: 

Parte 5: 

 

 

9 opiniões sobre “Aula de 13/10/1994 – Uma canção pode mudar o mundo: beleza e senso comum”

  1. Olá, Mar

    Acabei de ouvir a terceira parte da aula, ela está funcionando normalmente. Dependendo do computador, ela pode demorar um pouco para carregar antes de começar a tocar. Talvez tenha sido isso.. Por favor, tente de novo; se não conseguir, avise-nos.
    Um abraço
    Marici Passini

  2. Parabéns pela postagem!

    Outra belíssima aula desse grande professor que realmente desperta devires em quem o ouve e se deixa afetar por suas aulas!! …Puro Phylum!!

    Alias, ei ,Danieus, menos ego e notoriedade ( você desejaria ser reconhecido com gênio?!!) e mais coração, força e pensamento – pois se você realmente “superou” Einstein, eu realmete não acho que a importância da sua “descoberta” seja equivalente a sua pessoa, ao Danieus, ao seu suposto Eu….Grandes pensadores, incluindo Einstein, Nietzsche, Deleuze, etc..) nunca nem estiveram aí por reconhecimento! A questão deles era muito mais urgente e nobre! Abraço…

    1. Olá, Anônimo

      Ficamos um tempo sem poder disponibilizar as aulas, mas agora já estamos de volta! Novas aulas voltarão a ser colocadas.
      Um abraço, Os Editores

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *