Aulas em Vídeo

Pensamento e liberdade em Espinoza - outono de 1988

Em busca do tempo puro. Encontro de Proust com o cinema-tempo - verão de 1997

Este filme foi recuperado de uma fita VHS. O som está perfeito. Os pequenos efeitos especiais ou pausas na imagem são artifícios utilizados para não interromper a banda sonora.

A experiência transcendental - verão de 1997

"O tema desta aula é o transcendental, que não pertence nem ao mundo físico nem ao psicológico, mas ao campo das singularidades. É no transcendental que Deleuze baseia a sua obra".

A vontade espiritual na vida humana - (s/data)

Claudio fala sobre três mundos: o físico (material), o empírico (orgânico e psíquico) e o transcendental, que é o mundo do espírito. Enquanto o sujeito humano é constituído pelo orgânico e pelo psíquico, e por isso se volta para a conservação, a preservação, o conforto, os valores estabelecidos, o espírito contempla, produz singularidade e arte. Ele termina a aula discorrendo sobre a vontade espiritual contra a representação orgânica, nas artes, e utiliza como exemplo alguns pintores.

Hábito e renovação: uma aula dadaísta - verão de 1997

Ulpiano fala sobre o conceito de compreensão: o espírito humano aumenta a sua potência no momento em que aumenta o seu poder de compreensão. O homem é um ser esquartejado, pois recebe os acontecimentos do exterior com sua estrtutura sensória, e reage a eles com sua estrutura motora. Entre a percepção e a reação há um pequeno intervalo que se chama Tempo. O que marca e define a humanidade é este pequeno intervalo, preenchido por um sistema neurológico altamente sofisticado: o cérebro humano - "Van Gogh nunca foi um macaco". A função da arte seria nos desvincular dos hábitos e nos jogar no tempo, aumentando assim a extensão e potência do nosso entendimento.

Uma personagem Original - (meados dos anos 90)

"Uma personagem original (escreva aí, original com O maiúsculo). É aquela que escapa da lei..."
Ulpiano inicia a aula explicando que o seu objetivo é trazer entendimento para o conceito de imagem-pulsão, mas que uma aula será sempre mais extensa do que um tema. Ele vai falar sobre a tese dos gnósticos – o deus dos puros espíritos e o demiurgo –, sobre as figuras do demônio, do anjo e do profeta, justiceiro e vingativo; sobre o nihilismo e o tempo negativo, sobre o mal radical, sobre o realismo, o naturalismo e a literatura de Melville, sobre o movimento e o tempo no cinema. Por que um homem escreve uma obra literária? O que é o cinema pulsional? “Esta não é uma aula linear. Pois estamos trabalhando com temas muito sofisticados, e uma progressão linear mataria o próprio ser da questão” – afirma Ulpiano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

site em construção