Aula de O8/05/1995 – O designante, o designado e o referente

[A realidade é constituída de indivíduos:] este copo, este rádio, este livro, este lenço. Agora, melhorando pra vocês em termos lingüísticos: indivíduo é tudo aquilo que recebe na frente de seu nome um adjetivo demonstrativo. Então, se eu disser: esta cadeira, este copo, este livro - cadeira, livro e copo são indivíduos - por causa da presença do adjetivo demonstrativo este [diante do substantivo]. (Certo?)

Então... (Vocês estão marcando?)

A minha afirmação é de que o indivíduo é a única realidade. Esse enunciado é duro: daqui a pouco ele se torna flexível, (tá?) - a única realidade é o indivíduo! E nós - os sujeitos humanos - temos o poder de nomear o indivíduo pela linguagem. O meio que nós temos para nomear os indivíduos pela linguagem é o nome + o pronome adjetivo demonstrativo; ou o nome próprio. Ou seja, os indivíduos podem receber o nome próprio. (Entenderam bem aqui?)

- A realidade seria constituída de quê?

De indivíduos!

E a linguagem teria um processo de nomear esses indivíduos [com substantivos antecedidos de adjetivos] demonstrativos ou pelo nome próprio.

Vamos dar uma melhorada nisso: o adjetivo demonstrativo e o nome próprio nomeiam o indivíduo. Eu vou chamar o adjetivo demonstrativo e o nome próprio de DESIGNANTES - e o indivíduo de DESIGNADO. Agora vai ficar mais claro: a realidade é constituída de designados - que são os indivíduos. (Certo?)

Al.: Isso é nos medievais, (não é?)

Cl.: Quem está dizendo isso é o Guilherme de Ockham, (tá?)

Agora: Atenção! Eu pego a palavra cadeira, a palavra mesa e a palavra copo e coloco, antes dessas três palavras, o adjetivo demonstrativo este ou esta - esta cadeira, esta mesa, este copo. Esses adjetivos demonstrativos têm a função individuadora. (Vocês entenderam?)

Agora: eu pego essas três palavras - cadeira, mesa e copo - e coloco, antes delas, o artigo definido o ou a, e digo - a cadeira, a mesa, o copo.

Quando eu coloco o artigo definido - o artigo definido universaliza as palavras. Então, o artigo definido tem uma função universalizadora.

- Quando eu falo "a cadeira" e quando eu falo "esta cadeira"?

Eu digo "esta cadeira " e o J-- me pergunta - Q ual? Eu digo: J--, aquela. .. (tá?) E aí eu estou falando sobre o indivíduo.

E aí eu falo "a cadeira " e o J-- me pergunta - Qual cadeira? E aí eu digo: quando eu falo "a cadeira ", eu estou me referindo a todas as cadeiras que já existiram, que existem e que existirão. Então, a palavra cadeira recobre ou subsume todos os indivíduos cadeira. (Está bem?)

Então, no nível da linguagem - qual é a diferença entre o universal, que é dado pelos artigos; e o individual, que é dado pelos adjetivos demonstrativos? É muito simples: no nível da linguagem, o individual [aparece] quando os nomes comuns recebem a palavra este; e os universais, quando os nomes comuns recebem o artigo definido. (É só isso!) Então, quando é que você teria um universal? Na hora em que você colocasse o artigo definido.

Alº.: O demonstrativo vai dar a singularidade, o singular?

Cl.: O individual ou singular - porque [nesta teoria] individual ou singular são sinônimos! (Tá?) (Marquem isso!)

Alª.: Naquelas três categorias - singular, individual e universal?

Cl.: Individual e singular são sinônimos; e universal é aquilo que - na linguagem - é dado pelo artigo definido.

(Agora vai ser facílimo, tá?)

Existe - em lingüística - uma palavra chamada REFERENTE. No momento em que eu digo um substantivo comum antecedido de um adjetivo demonstrativo, eu estou fazendo uma prática designante, (não é isso?) Agora, ao fazer isso, eu espero que - para lá dessas palavras - exista um OBJETO. Ou seja: as palavras design antes - que são o adjetivo demonstrativo mais o substantivo comum - apontam para alguma coisa que existe.

(Posso prosseguir? Se vocês não entenderem, vai prejudicar na frente!)

Alª.: O referente é o... OBJETO REAL.

Alª.: É o designado?

Cl.: É o designado!

Então, quando você pega um substantivo comum, mais o adjetivo demonstrativo, você produz o designante ou indicador de indivíduos - contando que para lá da palavra exista alguma coisa. Essa coisa que existe para lá do designante chama-se OBJETO REAL ou INDIVÍDUO. (Certo?)

Al.: Eu não consegui entender!

(Vamos ver outra vez! Abandonamos o estudo, vamos voltar outra vez!)

Eu pego a linguagem, então, atenção: eu estou na linguagem, hein? Na linguagem portuguesa existe uma categoria chamada SUBSTANTIVO COMUM? Existe? Cadeira, mesa, copo? Agora, atrás desse substantivo comum - de qualquer substantivo comum - eu vou colocar um ADJETIVO DEMONSTRATIVO: esta cadeira, esta mesa, este copo. Quando eu faço reúno o substantivo comum ao adjetivo demonstrativo, eu estou produzindo o que se chama um DESIGNANTE ou - se vocês quiserem - um DENOTANTE, dá no mesmo! Quando eu produzo um designante, eu espero que - para lá do designante - exista um DESIGNADO. (Vocês entenderam?) O designado chama-se OBJETO REAL.

Alª.: É um substantivo comum.

Cl.: Não! Comum, não! É a COISA! Quer ver? Lápis é um substantivo comum? (Al.: É!) Este lápis [Claudio mostra um lápis], este aqui é um designado - é a COISA. É o REFERENTE. O referente que é o real.

Alº.: E se eu usar a palavra idéia. ESTA IDÉIA - funcionaria também pra isso?

Cl.: Funcionaria... funcionaria... O que importa é que o indivíduo pode ser dito de duas maneiras: pelo substantivo comum + o adjetivo demonstrativo; mas também pelo NOME PRÓPRIO. E mais: quando ele for visível, você também pode apontar com o dedo. (Vocês entenderam?)

Aqui - [Claudio aponta o dedo para um livro:] este dedo está funcionando como um substantivo comum, junto com um adjetivo demonstrativo - porque ele está apontando para um designado [o livro]. Então, o que a filosofia vai afirmar, é que o indivíduo - qual o sinônimo de indivíduo? Singular! Qual é o sinônimo latino? Substância Primeira! Qual o sinônimo grego? Protos Ousia! Então, nós supomos que o indivíduo seja REAL - quem produz o indivíduo não é a palavra: ele existe independente da palavra. (Você entendeu?) O indivíduo existe independente da palavra.

Agora, vamos para o UNIVERSAL:

- Como é que se constrói o universal? Novamente o substantivo comum, com o artigo. Então: A MESA é o nome de um UNIVERSAL; A CADEIRA é o nome de um UNIVERSAL; ESTA CADEIRA é o nome de um INDIVIDUAL ou SINGULAR; ESTA MESA é o nome de um INDIVIDUAL ou SINGULAR.

Agora: quando você produz o substantivo comum + o artigo definido - que é o nome do universal - para lá desse nome não existe NADA. (Vocês conseguiram entender, não? Pegou isso, J--?)

Alº.: Eu não peguei, não.

Vamos outra vez, então. Ouçam aqui:

Quando eu digo ESTE COPO - eu estou falando sobre uma coisa real que está aqui na minha frente. Alguma coisa que existe realmente na minha frente. Mas quando eu falo O COPO, essa expressão universalizada - pelo artigo definido - não encontra, na realidade, nada que a complemente. Ou seja: quando você produz um nome universal...

Alª.: É abstrato?!

Cl.: Quer usar, usa, que é bom: não é exatamente isso - mas pode usar!

Um nome universal não tem correspondente real. Um nome individual tem correspondente real!

(Vocês entenderam?)

Então, qual é a diferença, quando eu digo: "este copo" e "o copo"? É que eu suponho que "este copo" tem um indivíduo real; e "o copo" não tem um indivíduo real. Então, se o nome universal não tem objeto real ao qual ele esteja designando (entendido?), o universal não é real - é apenas um SIGNO. Nada mais do que isso! Enquanto que, quando eu digo ESTA CADEIRA, ESTA MESA, J--T--, quando eu produzo o que se chama designante, nós contamos que para lá da palavra exista um objeto real, que se chama em lingüística O REFERENTE. (Entenderam?)

Então, nós achamos - agora vamos completar! - que o individual é um referente, mas o universal não é um referente.

Al ª.: Então, qual a diferença entre designante e designado? Eu entendi que designante era um adjetivo demonstrativo e que o designado era um substantivo comum...

Cl.: Não! O designado é a COISA!

Alª.: É o objeto real?

Cl.: Sim, é o objeto real! É esse lápis que está na tua mão; é o referente! Isso que é o designado. Designado é sinônimo de referente. (Tá?)

Então, a filosofia vai fazer um estabelecimento: só existem os indivíduos ou singulares - são esses que existem! E os universais? São transformados em SIGNOS. (Entenderam?) Isso daí - numa avaliação simplória - estabelece que só é real o individual. Então, se Deus existir, ele é?

Als.: Um indivíduo!

Cl.: Entenderam? Só é real o indivíduo! E o universal não é real.

- Essa tese - que eu acabei de apresentar - dá o individual e o singular como sinônimos? Nessa tese, individual e singular são sinônimos? São sinônimos. (Tá?)

Agora, a diferença entre singular e individual vai aparecer [em Espinoza] não textualmente - [porque] no texto espinozista vocês não vão encontrar essa questão; [mas ela aparece] claramente em textos do século XX - como, por exemplo, na obra do DELEUZE. O que eu estou dizendo pra vocês, é que a filosofia de Guilherme de Ockham - no século XIV - identifica individual e singular. Agora, quando você vai pra obra do Deleuze, singular e individual não são a mesma coisa. (Tá?)

Então, a partir daí, nós vamos fazer esse desdobramento que o Deleuze fez - separando o individual do singular - e eu vou passar a dizer o seguinte pra vocês:

Quando o individual e o singular eram [considerados] a mesma coisa - o singular e o individual eram os reais ou a realidade física. O singular ou o individual, enquanto sinônimos, são as realidades físicas.

- O mundo físico é constituído de...?

Alª.: Reais!

Cl.: Reais - singulares ou individuais, tá?

Alº.: Isso para o Deleuze?

Cl.: Não, isso daqui para o século XIV!!!! Então, você vai fazer física, eu chamo um físico, o que eu vou estudar? Indivíduos!!! Ou Singulares, tá? E se eu quiser estudar o universal, eu não vou estudar física, porque o universal não existe na realidade. O universal é um mero SIGNO. Mero SIGNO!

Alª.: Signo ou símbolo?

Cl.: É melhor utilizar signo, porque quando eu for trabalhar, signo fica muito mais claro! E depois, quando eu for dar aula de semiótica pra vocês, não vai haver o menor problema. Logo, semiótica resolve isso diretamente!

Eu disse que o Espinoza vai fazer [essa separação], mas não é muito claro, mas em Deleuze vai haver um acontecimento: Deleuze vai separar o individual do singular. E quando ele faz essa separação, vai passar um momento muito difícil para nós. Porque, para Deleuze, o universal é praticamente a mesma coisa que o Guilherme de Ockham disse. Quer dizer: para o Guilherme de Ockham, o universal existe? Não! É um mero signo. Vamos dizer que o Deleuze concorde com isso, tá?

- E para o Guilherme de Ockham, o individual existe?

Als.: SIM!

Vamos dizer que o Deleuze também concorde com isso: que o individual existe. Mas o Deleuze separou o individual do singular. Ele separou um do outro! E agora vai aparecer a grande surpresa - que isso é espinozista, com outra linguagem!

O singular não é um signo. O universal é um...? (Als.: Signo!) Quando algo é um signo, este algo - que é um signo - é chamado de OBJETO MENTAL. O Universal é um signo ou objeto mental. E o individual? O individual é Real.

Então, a diferença do UNIVERSAL para o INDIVIDUAL, é que o universal é um OBJETO MENTAL e o individual é um OBJETO REAL - Atenção: REAL FÍSICO! (Certo?) Então, qual a diferença do universal para o individual? O universal é um objeto mental. Se Deus resolver destruir todas as mentes, quem desaparece? O objeto mental; desaparece o universal! Se Deus aniquilar todas as mentes, o universal desaparece. Por que ele desaparece? Porque ele é um objeto mental! (Vocês entenderam?)

Alº O real fica!

Cl.: O real fica!! Deus pode acabar com todas as mentes, mas isso não acaba o individual. Porque o individual não depende das mentes, (certo?) Ele tem uma realidade física, independente da mente. (Entendeu?)

Agora, o Deleuze vai fazer o quê? Separar individual de singular. E vai dizer que o singular não é um objeto mental. Ele vai dizer que o singular também é real. Então, para o Deleuze, são quantos reais? Dois! O individual e o singular. (Certo?) Então, ele está dizendo que há dois reais.

- Quais são os dois reais do Deleuze?

O individual e o singular. Nesse momento, é a única coisa que eu posso fazer. Eu vou fazer a seguinte diferença: o individual é uma realidade física. E o singular é uma realidade METAFÍSICA - que nós ainda não sabemos o que é, (tá?)

Mas como é que nós distribuímos o início do nosso trabalho? Distribuímos bem! Nós mantivemos o universal como objeto mental; então nós já sabemos que se não houver mente, não há universal! Que o individual existe independente de qualquer mente - ele existe, (tá?) (Entenderam?) Agora apareceu outra realidade: uma segunda realidade, chamada singular. Agora, eu volto para o Espinoza. Volto pro Espinoza! (Vocês entenderam essa prática toda que eu passei?) (Acho que foi bem, não é?)

Alª.: Foi uma viagem imensa!

Cl.: Vamos fazer a distinção novamente?

Universal - objeto mental.

Individual - real físico, (tá?)

Singular - ainda que a gente não saiba o que é, eu estou chamando de - REAL METAFÍSICO.

Agora, vamos passar para o Espinoza:

Vamos dizer que o Espinoza pegue o universal e diga a mesma coisa: que o universal é objeto mental. Que ele diga isso! Então, ao dizer que o universal é objeto mental, ele não está fazendo nada de novo. Está praticamente reproduzindo o Guilherme de Ockham, que, [por sua vez] está praticamente reproduzindo o Aristóteles. Não tem nada de novo aí. Mas, vamos dizer agora, que o Espinoza chama o individual de existente.

- O que é o existente?

É o individual. Pronto!

É individual, é existente! Ele identificou existência a indivíduo. E o singular - a identificação é surpreendente! O singular vai ser identificado à ESSÊNCIA! (Tá?)

Então, voltando: na linguagem espinozista, nós teríamos o universal, o existente e o...

Agora, eu vou até abandonar a idéia de universal! Eu vou falar objeto mental, existente e essência.

Alº.: A essência seria singular?

Cl.: SINGULAR!!!

Então, o que nós já temos que saber, é que vai chegar um momento em que eu vou distinguir teoricamente, pra vocês, o que é singular e o que é individual. Eu vou fazer essa distinção!

(Vocês acham que foi bem até aqui? Cada um de vocês de per si se garante no que eu acabei de falar, ou necessita que eu fale mais alguma coisa? Vocês acham que está tudo bem?)

Alª1.: Não, eu só queria saber da essência!

Cl.: Porque eu não expliquei! Eu não expliquei!

Alª2: Eu só queria confirmar uma coisa: designante, então, é um conceito lingüístico?

Cl.: É apenas da linguagem!

Alª2.: E o designado é concreto?

Cl.: Isso! O designado é o referente.

Alª2.: É o existente?

Cl.: É o existente, na linguagem do Espinoza!

Alª2.: E o designante é apenas um conceito lingüístico!

Cl.: Só linguísitico! Só! Este é um nome próprio. É o que se chama prática propriamente semântica. A SEMÂNTICA é a relação do designante com o designado. É isso que é a semântica. Você quer ver que coisa interessante? Sempre que você produz um designante...

- Me dá um exemplo de designante? Substantivo comum + adjetivo demonstrativo ou o nome próprio. Sempre que você produz um designante - nome próprio ou o substantivo comum + o adjetivo demonstrativo - você conta que, espera que, exista um referente. (Certo?) Mas você pode produzir designantes que não tenham existência real, que tenham, por exemplo, existência IMAGINATIVA. Por exemplo: o centauro, o cavalo-alado - são designados imaginativos. Enquanto que há designados absolutamente reais. Mas, seja o que for, se ganhar existência física - necessariamente tem que ser um indivíduo. Ganhou existência física, tem que ser indivíduo. (Tudo bem? Nenhuma questão?)

Alª.: Como é que fica se você chamar... este espaço?

Cl.: Este Espaço? Individualiza o espaço! Isso aí, sem saber, você está colocando uma questão kantiana, (viu?) Você está individualizando o espaço! Sempre que você usar o adjetivo demonstrativo na frente de um substantivo comum - é uma prática de individuação. É isso que vai haver em termos de linguagem. Em termos de linguagem!

E em termos de linguagem universal? É o substantivo comum + o artigo definido. Agora, a facilidade para vocês entenderem a relação lingüística disso tudo é que, quando você produz um universal, esse universal não tem referente.

Cl.: Vê menina, se você entendeu?

Cl.: Não, não entendeu!

Alª.: Agora, quando a gente pega a palavra espaço, que é uma palavra problemática, se agente diz este espaço. Mas "O Espaço " existe?

Cl.: Nós vamos ver isso depois! Não vai ter problema nenhum! Não constitui problema não, (viu?) É aparente que constitui problema! Mas agora eu estou com problema ali é com a N--. Você não entendeu, não é, N--?

Alª1.: Não, eu entendi, eu estou tentando ver onde você está chegando, na questão do Kant... aí do espaço...

Cl.: Não se preocupa com essa linguagem, porque depois - quando for necessário - eu aplico essa linguagem. Você não se preocupe com os nomes que estão sendo usados. A única coisa que eu quero que você compreenda... é que nada corresponde ao universal no mundo real. Ao individual corresponde o indivíduo. É isso que importa!

Então, há uma linguagem - vou usar os nomes, agora - há uma linguagem que é indicadora de indivíduo. Essa linguagem chama-se DESIGNAÇÃO. A designação faz o quê? Indica indivíduos! Agora, quando você produz o universal, você já não está na prática do designante - você está na prática do SIGNIFICANTE. É isso, o significante não indica NADA no real! NADA! NADA! Então, usa isso, tá? Não é espinozista, mas usa!

Então: ao universal, nada corresponde no real. Ao designante, corresponde o indivíduo. O terceiro termo é SINGULARIDADE. É o terceiro termo. Esse terceiro termo não é espinozista: Espinoza não emprega esse termo! Mas, no universo do Espinoza, esse termo SINGULAR - pra nós, [nesta aula] - vai passar a ser sinônimo de ESSÊNCIA. E INDIVÍDUO, sinônimo de EXISTÊNCIA. (Vejam se vocês entenderam?)

Alª.: Quer dizer que Espinoza não fez a separação entre individual e singular? !

Cl.: Fez, na linguagem existência e essência. Ele não usou "as palavras " individual e singular. Ele usou "as palavras " existência e essência, pra fazer a mesma prática separativa. Vocês estão conseguindo acompanhar? Elas fariam a mesma prática de separação.

(Mais alguma questão?)

Al.: Ele não fala individual e singular?

Cl.: Não, e se por acaso ele vier a falar, isso não é problema pra nós agora. Não é problema! Não é questão pra nós! A nossa questão é que singular vai ser ESSÊNCIA e individual vai ser EXISTÊNCIA.

Agora, vamos partir para o individual. Esqueçam o universal e esqueçam o singular. (Tá?) Nós estamos partindo para o individual.

Este mundo que está aqui, este planeta que está aqui, nele, neste planeta - vou ser bem irredutível para ficar bem claro o que eu estou dizendo... Existem, neste planeta que está aqui - ou melhor, no Universo existem dois tipos de indivíduos. Indivíduo é o que mesmo? É o REAL EXISTENTE.

- Quantos tipos de indivíduos eu disse que existem?!

Dois! Os dois tipos de indivíduos que existem, um chama-se INDIVÍDUO FÍSICO, o outro se chama INDIVÍDUO VIVO.

Então, o indivíduo físico e o indivíduo vivo. Esse livro é um indivíduo físico, o Pão de Açúcar é um indivíduo físico.

Al.: O indivíduo físico não floresce nem morre.

Cl.: Não, você está enganado, está enganado: não é por aí, não! Não é por aí que você vai distinguir: se você usar essa distinção, você morre! Essa distinção não é suficiente! A única coisa que importa pra nós é que no campo - agora bem rigoroso! - no campo da realidade existencial - " realidade existencial" parece uma tautologia, parece um pleonasmo: mas não é!...

(virada de fita)

Na realidade existencial só existe o indivíduo; mas o indivíduo se divide em dois - indivíduo FÍSICO e indivíduo VIVO.

- Uma galinha, por exemplo; o que é uma galinha? Um indivíduo... vivo!

- E o que é uma ameba? Indivíduo vivo!

- O que é o cristal? Indivíduo físico!

- O que é uma pedra? Indivíduo físico!

Então, a realidade é composta desses dois tipos de indivíduo - o indivíduo físico e o indivíduo vivo. (Tá?)

Al.: A planta?!

Cl.: Indivíduo vivo!

- O cachorro? Vivo!

- E o Pão de Glicose? Físico!

Então, nós teríamos dois tipos de indivíduo: o físico e o vivo. (Tudo bem?)

- E a realidade seria constituída de quê? Dois tipos de indivíduo - um físico e outro... vivo.

Desse indivíduo vivo - eu estou apenas projetando pra vocês entenderem! - é desse indivíduo vivo que vai sair o que se chama SUJEITO. Então, sujeito é uma categoria que emerge no indivíduo vivo.

- Como é que eu posso definir o sujeito?

É de uma simplicidade muito grande, nessa linguagem que eu estou usando pra vocês! O sujeito é aquele que é capaz... ele é um indivíduo vivo, não é? O sujeito é aquele que é capaz de produzir um objeto mental.

- O indivíduo físico é capaz de produzir um objeto mental? Não! Dentre os indivíduos VIVOS alguns são sujeitos - aqueles que produzem objetos mentais. (Não é difícil! Está bem aqui? Ficou mal aqui, pra você?)

Alª.: O objeto mental que é universal...

Cl.: Universal!

Alª.: Alguns indivíduos vivos produzem...

Cl.: Produzem o universal. E esses - pra facilitar integralmente - eu estou chamando de sujeitos! Só pra ser da maior simplicidade.

Agora, vamos lá:

- Quantos indivíduos existem?

Dois: Físico e Vivo.

- Existe mais alguma coisa fora isso? No mundo físico, existe mais alguma coisa fora isso? Só existe o indivíduo e o indivíduo se distribui em dois - físico e vivo. (Conseguiu entender?)

- A realidade é composta de quê? De indivíduos: físicos e vivos. Certo?

Agora - eu não vou dizer como os medievais iriam resolver essa questão que eu vou colocar agora, porque iria complicar pra vocês. Eu vou colocar uma questão, que é espinozista - é inteiramente espinozista - e é deleuzeana. É o seguinte: sempre que nós formos pensar os indivíduos - vivos ou físicos - nós temos que pensar a GÊNESE desses indivíduos.

- O que significa gênese? Como é que aparecem! [Como esses indivíduos aparecem], chama-se: a gênese desses indivíduos. (Tá?)

- Vocês entenderam essa colocação da gênese, que eu fiz?

Então, vamos outra vez?

O real é constituído de dois tipos de indivíduo: o físico e o vivo. Por exemplo, uma tela é um indivíduo físico. Quer dizer: isso vai nos trazer imensas preocupações. Então, a realidade é constituída de indivíduos vivos e de indivíduos físicos. Agora: o vivo e o físico pressupõem uma gênese. Então, vamos dizer: o pensador que não esgota o seu conhecimento na pesquisa do indivíduo vivo e na pesquisa do indivíduo físico, mas busca encontrar as forças genéticas que os produziram - até aqui tudo bem? - esses, que vão buscar as forças genéticas que os geraram, vão chamar essas forças genéticas - no caso do Deleuze, de singularidades e no caso do Espinoza, vamos dizer essência.

Então, a singularidade é anterior ao indivíduo. (Ficou difícil?) Ela é anterior ao indivíduo! Mas é a partir da singularidade...

Al.: A singularidade seria a força genética?

Cl.: A força genética! Nós ainda não sabemos o que ela é... mas sabemos que essa singularidade não é uma realidade física, individual; mas - sem ela - os indivíduos físicos não existiriam.

Al.: Isso é em Deleuze (não é?), a singularidade. E em Espinoza?

Cl.: Vamos usar - a essência.

Então, a partir de Espinoza, a essência seria a geradora da existência. Vamos dizer assim!...( NÃO É ISSO... MAS, POR ENQUANTO, É A ÚNICA MANEIRA QUE EU TENHO PRA TRABALHAR COM VOCÊS!) Usando isso, eu passo a afirmar que todo e qualquer indivíduo - que pode ser físico ou vivo - que todo indivíduo físico ou vivo contém uma essência. Não há sequer um indivíduo que não tenha uma essência. (entenderam?) Eu estou colocando a essência como sinônima de singularidade ou força genética. Então, a partir disso, a nossa experimentação...

Essa informação que eu vou prestar agora, eu vou travar depois disso aqui, viu? Eu vou usar mais uma vez uma linguagem não espinozista: eu vou usar uma linguagem deleuzeana. Mas depois, não faz mal, isso não vai ter nenhuma importância!

Eu vou dizer assim:

Quando nós estamos vivos, nós fazemos experiências. E, constantemente, as nossas experiências são feitas com indivíduos - físicos ou vivos. Então, os físicos e os vivos esgotam o que se chama "o nosso campo empírico ".

- O que é um campo empírico?

É aquilo preenchido por indivíduos físicos e indivíduos vivos - que são aquilo que nós experimentamos. (Você entendeu? Tranquilamente?)

Então, o universo existencial eu estou chamando de mundo empírico.

- O que é o mundo empírico?

É todo o universo existencial. E quais são os dois seres que habitam o mundo empírico? O físico e o vivo. E nesse universo que se dá todo o nosso mundo experimental. Todo o nosso campo experimental se dá nesse universo.

Agora, a singularidade está nesse mundo empírico?

Não! O mundo empírico é o indivíduo físico e o indivíduo vivo.

Al.: O que não está é a essência e objeto mental?

Cl.: Vamos excluir o objeto mental. Sim, não está - mas exclui, agora da pesquisa, pra não te dar nenhuma complicação!... Fica, na pesquisa, só com o indivíduo e o singular, porque aí você vai entender... Eu estou dizendo que o universo empírico - o mundo empírico - contém dois elementos, dois elementos individuais: o indivíduo físico e o individuo vivo. É isso que nós vamos ter que entender! Você pode sair aí por Ipanema, o que você vai achar aí pela sua frente? Nuvem, o que é uma nuvem? Indivíduo físico. Chuva? Indivíduo físico. E se você achar uma barata? Indivíduo vivo. Você não vai achar outra coisa, só indivíduos físicos e indivíduos vivos! Então, nosso campo experimental se dá com indivíduos físicos e indivíduos vivos. (Tá?)

Agora: a singularidade não é empírica! Por que não é empírica? Porque no empírico só há indivíduos. A singularidade é a gênese desses indivíduos. Então eu vou dizer que as singularidades - vamos usar, não é espinozista! - são TRANSCENDENTAIS. (Certo? Vocês conseguiram entender?)

Aqui, então, agora eu distribuo em três campos:

.  Nós temos um campo chamado OBJETO MENTAL - que é onde estão os UNIVERSAIS - que pressupõem uma mente, uma subjetividade, uma consciência;

.  Nós temos os INDIVÍDUOS - que são os povoadores do mundo empírico;

.  Nós temos a SINGULARIDADE - que povoa o transcendental.

Então, são três povos: o povo da mente - os universais; o povo do empírico - os individuais; o povo do transcendental - as singularidades. Vocês conseguiram entender aqui?

A ciência trabalha com o campo empírico. Então, a ciência lida com o quê? Com os indivíduos. (Está bem?) Aqui, a gente tem que fazer isso radicalmente. Qualquer variação na frente, nós temos essa sustentação!

Então, você tem o cientista, ele trabalha com o quê? Com os indivíduos físicos e os vivos. Esses indivíduos vivos podem pertencer à Biologia, podem pertencer à Sociologia, podem pertencer à Psicologia - pouco importa! E os físicos podem ser átomos, podem ser montanhas, podem ser estrelas, mas são indivíduos vivos e indivíduos físicos, (tá?) (Compreendido aqui?)

Al.: Compreendido, mas nem tanto, porque eu acho que o cientista também trabalha com objetos mentais!

Cl.: Trabalha! Mas não é o problema pra nós neste instante. O problema pra nós agora... Vamos dizer que nós não somos mais filósofos - nós somos exploradores; nós somos amigos do Cristóvão Colombo. Então, nós temos três países pra gente ir: temos o país dos transcendentais, onde vivem os singulares; temos o país dos empíricos, onde vivem os individuais; temos o país dos mentais, onde vivem os universais. Nós vamos ao país dos empíricos: pronto, nós vamos lá! Então, nós chegamos ao país dos empíricos - o que é que nós encontramos? Indivíduos físicos e os vivos. (Posso ficar tranqüilo, que nós estamos no país dos empíricos, no país dos indivíduos?)

Nesse país dos indivíduos é onde nasce a ciência. Então, a ciência nasce em que mundo? Nasce no mundo empírico! Então, vai haver a ciência dos indivíduos vivos, que é chamada a ciência do ORGÂNICO. E a ciência do indivíduo físico, que, no mundo moderno....

(Pequeno Defeito na Fita)

A avaliação científica do indivíduo físico foi basicamente feita no século passado. E, ao ser feita essa avaliação, surgiu uma ciência chamada TERMODINÂMICA. A termodinâmica surgiu para avaliar quem? O indivíduo físico. Até então, o modelo de avaliação do indivíduo físico era feito por Newton, no século XVII. Até que, no século dezenove, surge a Termodinâmica, que vai avaliar o indivíduo físico. (Prestem atenção: quando tiverem dificuldade, vocês coloquem!)

Nós estamos em que campo? Empírico! Isso não está acontecendo na mente de ninguém - está acontecendo no empírico: estão entendendo?

Quando a ciência examina o indivíduo físico, a ciência diz que o indivíduo físico tende para o que se chama ENTROPIA. O que quer dizer isso? É a aplicação de uma ciência chamada TERMODINÂMICA aos indivíduos físicos. Essa ciência, chamada termodinâmica, aplica, nos indivíduos físicos, o que se chama - a SEGUNDA LEI DA TERMODINÂMICA.

- O que é a segunda lei da termodinâmica?

A segunda lei da termodinâmica diz que todo o mundo físico - logo, todos os indivíduos físicos - tendem para uma igualização: igualização térmica. Por exemplo: se você deixar aqui um copo de café quente, ele vai ganhar a temperatura ambiente. O que significa isso? Que esse café quente perdeu calor. (Entenderam?) Ele perdeu calor. E esse calor que esse café quente perdeu, ele não pode mais recuperar. O que significa isso? Os indivíduos físicos estão perdendo a sua potência térmica. Perdendo a sua potência térmica, vai chegar um momento em que eles não terão mais potência térmica. Nesse ponto, todos os indivíduos físicos se igualizam - e no universo não existe mais nenhum movimento!

Eu estou dizendo que os indivíduos físicos - conforme a segunda lei da termodinâmica - vão cair numa igualização térmica. A igualização térmica implica em dizer que não vai mais haver nenhuma diferença no universo - isso se chama morte térmica do universo ou entropia. (Entenderam?)

- O que é entropia ou morte térmica?

Dá-se no indivíduo físico. (Tá?)

Al.: A ciência orgânica trata dos indivíduos vivos e a termodinâmica trata dos indivíduos físicos?

Cl.: Isso!

Agora: quando a ciência orgânica entra, com o que ela vai trabalhar?

Com os indivíduos vivos! E quando você começa a trabalhar com os indivíduos vivos, vai nascer uma prática chamada BIOLOGIA EVOLUTIVA. (Eu queria que vocês anotassem, porque tudo isso vai ser necessário para o nosso trabalho.) Essa biologia evolutiva trabalha com fósseis. Vocês sabem o que são fósseis? São determinados seres vivos que se fossilizam. Então, você os encontra nas pedras, em uma porção de lugares... e isso permite à biologia evolutiva saber que a VIDA sofre um processo evolutivo. A vida está envolvida num processo evolutivo. No sentido de que a vida vai sofrendo um processo de aumento de complexidade. Por exemplo: as amebas em comparação a um homem: há uma diferença brutal! Porque o homem tem - no mínimo que eu posso dizer pra vocês - um sistema nervoso altamente elaborado e a ameba não tem. Então, eu posso tranquilamente dizer que o vivo está dentro de um processo evolutivo. (Entenderam?)

Al.: O fóssil é um indivíduo físico ou vivo?

Cl.: Olha, é um indivíduo que foi vivo.

Al.: Passa a ser físico?

Cl.: Ele é um indivíduo físico, mas tem traços do vivo pra você examinar. Enquanto cientista, você pode examiná-lo como um indivíduo vivo. (Tá? Você entendeu?)

O que eu acabei de dizer pra vocês? Eu acabei de dizer que os indivíduos físicos tendem para a morte; e o indivíduo vivo tende para um aumento de complexidade. Não é uma contradição no mundo empírico? Há uma contradição aparente no mundo empírico, ou não?

- Qual é a contradição? É o fato de que os indivíduos físicos tendem a uma morte térmica e os indivíduos vivos estão aumentando a sua complexidade. (Entenderam aqui?)

Al.: A entropia só é válida para o indivíduo físico?

Cl.: Para o indivíduo físico!

Então, a gente vai usar o seguinte: como o indivíduo vivo aumenta a sua complexidade..., nós vamos dizer que o indivíduo vivo é NEGUENTRÓPICO. Então, nós teríamos uma diferença aqui mais ou menos marcada.

Al.: Neg??

Cl.: Negue- entrópico. Negue, como se diz negar. ( Entenderam aqui?) O vivo é neguentrópico e o indivíduo físico, ENTRÓPICO. Então, haveria nitidamente esse processo.

Agora: todo indivíduo físico é entrópico, ou seja: ele perde calor e não recupera mais esse calor. (Certo?) Então, se o universo tiver uma quantidade X de indivíduos físicos, esse universo vai chegar necessariamente à morte entrópica. Ele vai chegar! Mas eu coloquei que o indivíduo vivo é neguentrópico, porque ele aumenta a sua complexidade. A partir disso que eu disse, eu já vou fazer uma colocação altamente deleuzeana e altamente espinozista. Eu vou dizer que a VIDA não pode ser pensada somente pensando-se o indivíduo vivo. Na hora em que se pensar a VIDA, tem-se que pensar no INDIVÍDUO VIVO e no MEIO no qual ele vive. Sempre que se pensar a vida, é o indivíduo + o meio. (Vocês entenderam o que eu disse?) Então, a diferença do pensamento deleuzeano, é que quando ele penetra no mundo empírico para pensar a vida, ele não pensa a vida somente [em termos de] indivíduo. Ele pensa o indivíduo e o meio. (Vejam se vocês entenderam isso?)

Então, eu sou um pensador da vida. Eu vou me envolver com o campo empírico - o que é que eu vou pensar? Indivíduo e meio. Vocês não podem esquecer isso! Não podem esquecer isso - porque é básico! É o indivíduo e o meio que explicam o pensamento da vida. Não há possibilidade de você pensar a vida sem pensar O MEIO. Então - eu queria que vocês pensassem isso - a vida é exatamente idêntica a um caracol. O caracol não traz com ele o seu meio, que é a sua casa? Todo vivo implica o meio.

A vida traz o meio. Vamos dar um nome para esse meio. Vamos dar um nome da maior facilidade. Vamos chamar esse meio de BLOCO DE ESPAÇO-TEMPO. (Não é difícil não, vocês vão ver, depois que vocês dominarem... vocês não vão ter nenhuma dificuldade! É muito simples!) Se não houver espaço e tempo, não é possível haver vida. Então, BLOCO de ESPAÇO-TEMPO. Não é possível haver vida sem bloco de espaço-tempo. Esse bloco de Espaço-Tempo pode ser chamado, em termos práticos, de MEIO GEOGRÁFICO ou MEIO HISTÓRICO. (Vejam se vocês entenderam?) O bloco de espaço-tempo pode ser chamado de meio geográfico ou meio histórico. Por exemplo: você pega um vivo que habita um bloco de espaço-tempo hostil. Por exemplo: esse bloco de espaço-tempo hostil é o meio geográfico do Alasca. Certo? É um meio geográfico hostil. Aí, um historiador chamado Toynbee, que pensa exatamente dessa maneira, Arnold Toynbee, vai dizer que não há vida sem que haja um meio. E a função do vivo é dar uma resposta ao desafio que o meio lhe lança. (Nós vamos ler Toynbee!...)

O que eu chamei de meio - que é o bloco de espaço-tempo - pode ser o meio geográfico ou o meio histórico,(tá?) Então, quando você pega o pólo NORTE, ele é um meio geográfico, que você não consegue historiar. Inclusive, porque pra viver no pólo Norte, você não pode levar nem tijolo nem cimento. Você tem que fazer IGLUS, que é feito com o próprio gelo. Os vivos desse meio-geográfico ou desse bloco de Espaço-Tempo têm que estar constantemente dando resposta ao desafio que esse meio faz pra eles. (Vocês entenderam? Querem perguntar alguma coisa?)

Al.: Isso é Darwin, não é?

Cl.: Não. Não tem nada de Darwin aí. Nada de Darwin! Tem de Lamarck, de Darwin, não. Você vai ver depois que não tem nada de Darwin. De Lamarck tem. (Certo?)

(Vamos voltar outra vez. Vamos agora facilitar as coisas.)

É... Rua Djalma Ulrich, não sei o número, uma locadora de cinema - chama-se Polytheama. O dono dela chama-se Júlio - é a melhor locadora do Brasil, sem dúvida nenhuma, é a que eu trabalho, viu? Nessa locadora vocês vão apanhar um filme chamado NANOOK, o esquimó - que é o nascimento, no cinema, do que se chama DOCUMENTÁRIO. O nome do diretor é Robert Flaherty. Esse documentário - que dura uns quinze minutos - é a história de um indivíduo vivo, que é o Nanook, mais as suas famílias, num meio geográfico. O meio geográfico é o bloco de espaço-tempo - que produz constantes desafios a ele - e ele responde. Então, o indivíduo vivo, vive num bloco de espaço-tempo, que se chama meio geográfico ou meio histórico. Esse meio geográfico, no caso do Nanook, é um meio geográfico hostil.

(fim de fita)

[print_link] [email_link]

2 opiniões sobre “Aula de O8/05/1995 – O designante, o designado e o referente”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *