Constelação: Abismo – Emil de Castro

ABISMO
Emil de Castro
*
Quando a noite mergulhar-me as garras no peito
meu corpo se queimará em cintilações
e eu serei eterno
no mundo.

*
Quando a noite mergulhar sua lâmina no meu corpo
os luares que amei partirão todos os espelhos
onde a minha imagem se debruçou
para morrer.

*
Ah se a noite penetrar-me o corpo de fatalidade
encontrarei meus mapas de ilhas naufragadas
e serei meu próprio capitão
nessa batalha urgente.

*
Mais nada.
Sou apenas pedra e cal
moradia de segredos
e água sentida na fonte não bebida.

*
(Habitação em campo urgente, 1973)

[print_link] [email_link]

Uma opinião sobre “Constelação: Abismo – Emil de Castro”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *