Constelação: Espelho convexo – Celina Ferreira

ESPELHO CONVEXO
Celina Ferreira

Que reino lúcido,
liso e perfeito,
que se aprofunda
na superfície
do meu segredo!
Vejo-me: o duplo
de mim, liberto
no mundo líquido,
água, azulejo.
Move-se o duplo,
sou eu que o vejo?
Elfo, no estanho
azul do espelho.
mmmmmm
Colo meu rosto
à face esquiva
que me repete,
grave e precisa,
na densa tela
de prata líquida.
Beijo meu beijo
que me hostiliza,
mergulho os olhos
nos olhos duros
que me fustigam.
mmmmmmm
Além, meu duplo
zomba de mim.
Ri do meu riso
se me duplico
no seu sorriso
cúmplice e afim.
Eros e Anteros,
eu e meu duplo
no mundo, espelho
que não tem fim.

(Espelho Convexo, 1973)

[print_link] [email_link]

3 opiniões sobre “Constelação: Espelho convexo – Celina Ferreira”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *