Do amor

Tratado do qual só restaram alguns fragmentos. Se certos especialistas afirmam que é impossível precisar autoria, origem ou data, outros dizem que o autor teria vivido na Grécia clássica, uma vez que a maioria dos fragmentos data do século V aC.

Dividido em várias partes independentes: Do vão sacrifício. Da alegria desconhecida. A melodia e as baladas. Das vísceras e dos humores. Da crueldade. Dos batimentos cardíacos. Da variação e do salto. Da folha a vogar na ventania. Da admiração. Do amor das crianças por sua mãe. Do rumor do mar e das cigarras. Do paladar e do tato. Do medo como necessidade. Fogo, ar, água. Do tempo e do espaço como elementos solúveis. Alexia e paixão. Do silêncio. Do roçar das algas no coração. Da multiplicidade. Da flauta ao longe quando o rio sobe. Do amor impróprio.

Outros fragmentos se tornaram conhecidos posteriormente, o mais célebre é sem dúvida Do amor como transcendência, entretanto, desde o século XX, tem sido considerado por alguns como apócrifo. Muitos outros fragmentos continuaram a surgir ao longo dos anos, e mesmo até hoje, sem que nunca pudesse ser comprovada sua autenticidade.

Masé Lemos
poeta e professora de literatura

[print_link] [email_link]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *