É delicioso estudar… Manuscrito 7

"É delicioso estudar. Nada é tão delicioso como estar só. É delicioso pensar. Como é delicioso produzir. Tudo isto tem que ser levado em conta para aquele que vê suas delícias serem constantemente esmagadas pela sofreguidão dos próximos. Sou um homem do deserto, apaixonado por estalidos e estrelas confusas, envolvido pela solidariedade humana. Não seria bom uma grande mortandade para lá de minha vida, - meu estômago é civilizado -, para enfim uma vida em torno de brisas frescas e justas reflexões? Quem pensa assim hoje já não surpreende ninguém e, [ainda] por cima, é mal visto. Que assim seja para o bem da vida."

2 opiniões sobre “É delicioso estudar… Manuscrito 7”

  1. Quem ou que pensa, quando penso que estou pensando? Pensamento não é obra do eu que centra a consciência. Pensar é mesmo o próprio ser? Ou penso na Presença, na Paraousia, onde não sou. Sou onde penso não pensar? Devaneio não é pensamento. Pensar é Work on progress. Que pensa , principalmente, a Ousia? Sou, então, todo, não mais que uma coisa que pensa? Aleatóriamente? Deterministicamente? Devaneio é Imaginerie, fluxo de imagem, qjue ofusca o pensar por símbolos.

  2. Há um grande mistério no “pensar”…NÃO PENSAR NADA.
    Ficar num estado de vigília por momentos “eternizantes” onde nada se percebe nem mesmo o tempo…Não é um branco, não é uma espera, não é nada… apenas a sensação de não estar pensando embora se perceba vivo, consciente de si sem identidade, memória, pensamento, nada.
    Acho que a Filosofia ainda não se apossou desse estado ou talvez nunca o faça. Não é Pensamento Puro, não é nada.è uma Presença sem nome, um Tempo sem forças … Talvez Paz?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *