A Valsa dos Canalhas

Só há uma coisa boa
Na vida humana na terra,
Entre a peste, a fome, a guerra
E o mais que nos arda ou doa.

Parece quase um milagre,
Um sol que nos embebeda,
Eis, súbito, a grande queda,
O mel em meio ao vinagre...
É a morte dos canalhas,
Porque eles morrem também...
Como isso nos faz um bem:
São eles, entre as mortalhas!

Schubert foi-se aos trinta e um anos,
Morre Keats com vinte e seis,
E entre os mendigos e os reis
Seguem eles, soberanos...

Mas, num segundo, uma artéria
Explode, o coração pára,
E a essência densa, alta e rara,
Sublime, espantosa, etérea,

Da canalhice termina
No frasco de um belo esquife...
Meu Deus, morreu um patife!...
Senhor, ainda que esta mina

Seja a única a não ter fundo,
Que júbilo, que alegria!
Nossa vida outra seria
Se a cada dia no mundo

Pudéssemos ver um verme
Lançado entre os seus iguais,
Não queremos nada mais,
Nós, Senhor, teu povo inerme,

Do que a espantosa alegria,
A luz que nos aparvalha,
Que é a benção de um só canalha
Num caixão a cada dia.

Alexei Bueno
2008

[print_link] [email_link]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *