Arthur Bispo do Rosário

não se sabe se correto seria dizer
paixão não se sabe se nestas urzes
plantou-se a demência não se sabe
de qual sopro os imateriais vivem

estão na frente dos que os olham
os objetos que deixaram de ser e
mais passaram a ser objetos quê
neste interregno do que já foram

o quê – objeto da soletração –
escolhe sílabas ao acaso até a
letra a exatidão insubstituível
que demarca o território deste

rosto que se não vê no que
se vê da obra demenciados

ambos

Oswaldo Martins
http://osmarti.blogspot.com

[print_link] [email_link]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *