Metáfora

Os escritos abaixo estavam grampeados em cinco folhas soltas, sem data.

O papel da metáfora. Só a boa metáfora pode dar ao estilo uma espécie de eternidade.

O estilo é uma questão de visão e não de técnica. A metáfora é a expressão privilegiada de uma visão profunda: que ultrapassa as aparências para atingir a essência das coisas. O repúdio ao realismo, à arte das notações, que se contenta em dar das coisas uma miserável relevância.

Liberar as coisas da contingência do tempo pela metáfora.

A metáfora não é um ornamento, mas um instrumento necessário para o estilo: para a visão das essências (não para que as essências sejam vistas, como em Platão, mas para que elas vejam, como nas mônadas).

Se o verdadeiro eu não pode viver senão fora do tempo, é que a eternidade é o único meio onde ele pode gozar a essência das coisas.

Aqui neste escrito, a memória involuntária vai ser observada como se fosse pela primeira vez. Então nem é bom perguntar o que é a memória involuntária, mas como aparece.

"A memória involuntária só intervém em função de uma espécie de signos muito particulares: os signos sensíveis".

• As reminiscências são metáforas da vida.

• As metáforas são reminiscências da arte.

[print_link] [email_link]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *