Sobre o futebol: sonho e alegria

Se nós não somos os melhores, que se liquide o futebol no Brasil, pois futebol brasileiro, para quem joga e para quem assiste, é um sonho: sonho e alegria, alegria de jogar e ver; sonho de sermos os melhores. Se não somos os melhores, o sonho acaba; e se o sonho acaba, acaba a alegria, e futebol sem alegria, bem... só para o Lazaroni que não entende o nosso povo, e a arte deste povo: que tem seu semblante — sonhar, sentir alegria e... fazer bem tudo aquilo que sonha e sente alegria: logo somos o melhor futebol do mundo, e nunca a causa desse silogismo, mas pela realidade, senão dos estádios, pois os técnicos e cartolas impedem, sem dúvida nas peladas e bate-bolas. Coloquem os Romários, os Mazinhos, os Geovanis, os João Paulos, os Netos... coloquem pelo semblante do nosso povo... nunca pela incoerência do que não compreende a atmosfera de uma raça... coloquem... e talvez não venhamos a ganhar... mas que alegria haverá de ser, até mesmo nas lágrimas das partidas perdidas!
mmmmmmmmClaudio Ulpiano
mmm
BRASIL - de Marci Trotta
série O Verdadeiro e o Falso
Fotografia sobre superfície lenticular formato 1.60 x 1.20 cm
Impressão raio ultra-violeta alta definição - Galeria Cândido Mendes - outubro/2009

4 opiniões sobre “Sobre o futebol: sonho e alegria”

  1. Creio que se Claudio, vivo fosse, atualizaria esse belíssimo texto com pequenas modificações: no lugar do indefectível Lazaroni, o turrão e zangado Dunga. Ganso, Neymar e Ronaldinho Gaúcho entrariam no lugar de Romario e Cia. E o Brasil estaria apto a jogar um futebol mais vistoso!!!
    Cordiais Saudações,
    Orlando Rey

  2. Claudio nos falava do silício, da abertura para o fora que as tecnologia estariam nos trazendo. E é sim, maravilhoso, poder estar lendo o que ele escreveu sobre o futebol e recordar a alegria atenta com a qual ela torcia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *